quinta-feira, junho 08, 2006

debate sobre "peer-review" na Nature

Rapidíssima: mais um fórum para discutir a questão da revisão de manuscritos submetidos para publicação (manuscrito = versão preliminar do artigo científico que é avaliada no processo de "peer-review"). É um debate interessante e uma questão que precisa evoluir com urgência e incorporar as invovações em formato que a cada dia apresentam idéias mais criativas e democráticas para promover a divulgação do (bom) conhecimento científico. Claro que a questão passa pela forma como os pesquisadores/cientistas são avaliados, uma vez que a publicação "válida" para a promoção (e reconhecimento institucional) da carreira do cientista é aquela vínculada a revistas com alto índice de impacto, de pesquisador com histórico de artigos com alto número de citações, onde o pesquisador aparece como primeiro autor, com poucos (?!) co-autores... e assim por diante. Não acho que estes aspectos sejam irrelevantes, muito pelo contrário, mas que o sistema precisa evoluir e incorporar críticas, isso precisa... enquanto o pesquisador depender da avaliação dada por este sistema hermético, dificilmente vai "ousar" orientar a publicação dos seus estudos para novos formatos. "It's sad, but it's true... "(como diria a letra do Metallica).
Abaixo a Nota da Nature:
Nature Peer review trial and debate. Peer review is commonly accepted as an essential part of scientific publication, but the practice varies across journals and disciplines. What is the best method of peer review, and how can new technology be used to improve traditional models? Each week the Nature Peer review trial and debate will publish analyses and perspectives from leading scientists, publishers and other stakeholders to address these questions. Visit the peer review commenting forum to read and post comments on peer review.
Nature Peer review trial and debate:
Peer review commenting forum:
Connotea resources:
Mais sobre iniciativas (2) da Nature no sentido de inovar o sistema de "peer-review" aqui.

5 comentários:

Maria Guimarães disse...

fiquei sem saber - para você, qual seria um mundo ideal nesse sentido?

via gene disse...

Ops! Esclarecendo:

primeiro: não acredito em mundo ideal (desde que saí da adolescência, pelo menos :));

segundo: mas acredito que todo sistema pode - e deve - sempre melhorar, incorporando críticas;

terceiro: acho que um processo formal de avaliação (do pesquisador ou da pesquisa) é absolutamente necessário, mas me parece que o processo que predomina atualmente "enxerga" um pesquisador fragmentado, relevando apenas parte da sua atuação (número de artigos, número de citações, impaacto das revistas onde ele publica...). Em sua forma integral, o pesquisador contribui também para a formação de recursos humanos, para a divulgação do conhecimento científico além dos foros acadêmicos, para a organização de sociedades científicas e inserção da ciência na pauta das políticas públicas e dos investimentos privados, e tantas outras coisas... que me parece simplista reduzí-lo aos poucos índices que atualmente são valorizados.

Mas, talvez eu me esclareça dizendo que "prefiro um sistema imperfeito à nenhum sistema de avaliação" e em seguida que "apoio iniciativas sensíveis às críticas ao sistema e que incluem inovações (ou mesmo revoluções) neste modelo vigente".

Como você pode ver, eu falo demais e talvez você tenha que "garimpar" a resposta em meio a tudo isto aí em cima... e se não encontrá-la, por favor insista, para que eu tenha a oportunidade de aprender a me expressar melhor. Por outro lado, é possível que vc discorde de algo aqui, o que também me estimula, logo, fique a vontade!

Queria ter adicionado outro comentário ao seu "post" do Ciência e Idéias sobre este tema, mas as ferramentas do blogspot/blogger entraram em colapso ontem à tarde (ao menos por aqui...), então o comentário foi re-direcionado ao blog do Daniel "it's equal, but it's different" que *também* "postou" sobre os nossos "posts" (ontem foi um dia meio "redundante" nos nossos "blogs" de ciências). Aqui está um adendo que gostaria de incluir na discussão:

"Olá Daniel!

Obrigada pela propaganda do via gene no seu blog! Queria acrescentar uma observação de um “mini-fenômeno” (não, não é uma bolha miniatura com a cara do Ronaldinho não-gaúcho) que eu acho que melhora um pouco a relação revisores anônimos X autores explícitos: já vem sendo praxe em várias revistas (da minha área, pelo menos) a inclusão de um (ou dois) campo (s) (...) para que os autores possam excluir previamente potenciais “referees” (...) problemáticos (conflito de interesse, inimizades, implicâncias, desacordos, enfim…) e ainda sugerir nomes de candidatos à “referee” para aquele estudo (um bom editor saberá “diagnosticar” algum autor mal-intencionado cujas sugestões de revisores inclui toda sua “família”). Assim, os autores ainda desconhecem a identidade do referee, mas sabem que não estão nas mãos de inimigos e ainda contam com a possibilidade de serem avaliados por pesquisadores que eles respeitam (e até sugeriram). Este tipo de informação normalmente já estava contida na carta de encaminhamento que apresentava a submissão aos editores, mas agora parece que esta bem mais valorizada, com editores que querem otimizar o processo de revisão e minimizar problemas e entraves… ok, era para ter sido um comentário pequeno… ops!"

Enfim, só isso, viu como é o meu mundo ideal?

Abraços,

ana claudia

outra coisa: saiu uma notinha interessante na Nature (441) de ontem com o título: "Funding: proposals ignore mentoring and teaching", beeeem curtinha memso :)

Maria Guimarães disse...

vou procurar essa notinha sobre financiamento mais tarde, quando eu for à unicamp (em casa, nada feito).
é verdade, não tem um mundo ideal - tem a busca de melhora. acho que eu tinha ficado confusa quanto à tua opinião porque duas questões acabam ficando misturadas (que são ligadas, mas não a mesma): a avaliação de um artigo para ser ou não publicado, e a quantificação de produtividade científica.
agora acho que entendi melhor!

via gene disse...

Olá Maria!

é que tem aquela história de que o cenário por trás da publicação científica envolve o sistema de avaliação do pesquisador: uma consequência - que é comentário geral em qualquer forum acadêmico - é a fragmentação dos estudos publicados (já que número garante pontos a favor). Ou estudos que ficam na gaveta porque algum chefe de laboratório só valoriza submissões nas Nature/Science. Ou publicações que nunca serão submetidas a estes processos de revisão mais "abertos" ou em veículos com diferentes sistemas de avaliação (que não o tradicional peer-review anônimo) pois seus autores temem que não sejam reconhecidos como estudos válidos por seus "pares" quando numa banca de concurso ou comitê assessor de agências de financiamento... essas coisas, mas acho que embaralhei as idéias um pouco, antes de definir casa uma para, depois, estabelecer o "link".

abraços, anac (a embaralhada!)

Maria disse...

Olá:)
Acho muito interessante o seu blogue.
Estou a estudar "O peer review nas revistas científicas: políticas e práticas editoriais declaradas".
Gostaria de saber a sua opinião sobre a relação que existe entre as revistas com maior factor de impacto e as suas políticas de peer review, passo a explicar:
terão as revistas com maior factor de impacto, as melhores políticas de peer review?
Obrigada.
Bem haja!
Maria